Mande sua mensagem também nas redes sociais.

Notícias

Centenário do Terreiro Bate Folha é celebrado com sessão especial na Alba

postado em 24/11/2016 05:11

Ao som dos atabaques e de cânticos em iorubá, teve início a Sessão Especial que celebrou os 100 anos do Terreiro Bate Folha, realizada na tarde desta quinta-feira (24), no plenário da Assembleia Legislativa, ainda nas comemorações do mês da Consciência Negra. Considerado Terreiro Cultural Brasileiro pela Fundação Palmares, o Bate Folha se destaca pela atuação do fundador da casa, o saudoso Tata Ampumandezu, Sr. Manoel Bernandino da Paixão – um dos pioneiros na preservação da tradição do Candomblé Congo-Angola no Brasil.

15233616_10207261168473865_37227745_o

Adeptos e simpatizantes das religiões de matriz africana estiveram presentes ao evento, que também contou com a presença de sacerdotes, sacerdotisas, representantes de segmentos sociais e do poder público que contou com a apresentação de um documentário, que contou a história do Terreiro e foi produzido por profissionais de áudio-visual da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

15182543_10207261168753872_793488987_o

O Bate Folha é um dos pilares na salvaguarda do culto afro-brasileiro e merece todas as deferências. São 100 anos da existência religiosa e de luta por uma sociedade mais justa e igualitária, na qual tanto acreditamos, disse o deputado Bira Corôa, presidente da Comissão de Promoção da Igualdade da Alba e proponente da sessão.

Depois de receber a placa em homenagem ao centenário do Terreiro, Cícero Rodrigues Franco Lima – Tata Munguaxi do Bate Folha, agradeceu aos presentes em seu pronunciamento. “Comemorar um século de existência é enaltecer a importância do nosso templo e o nome do nosso saudoso Manoel Bernardino da Paixão – Ampumandezu. Obrigado a todos e viva o Bate Folha”, concluiu. A sessão foi encerrada novamente ao som dos atabaques e sob muita comemoração.

15204097_10207261168593868_1604177009_o

Bate Folha – O Terreiro, conhecido como (Manso Banduquenqué)], foi fundado em 1916 e atualmente, encontra-se sob a gestão do seu sexto sacerdote, Tata Muguanxi (Cícero Lima). Localizado no bairro da Mata Escura, é o maior terreiro da cidade de Salvador, em extensão territorial, e, um dos mais antigos da capital.